7 de outubro de 2022
Instituto Ressurgir
Textos

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER!

Violência contra a mulher !

*Valdilene Oliveira Martins

A violência contra a mulher trás muito sofrimento e muitos dilemas para as vítimas, especialmente a violência doméstica e familiar, independentemente da classe social, da etnia e da crença a que a mulher pertença.
Sendo ela de uma classe social mais baixa e se ela não for branca, a situação se agrava.

A dependência financeira é um grande obstáculo e dificulta demais a ação de libertação da mulher! Outras dependências, a exemplo das afetiva, psicológica, religiosa, familiar e social também pesam demais nesse processo de libertação e independência!

Ao meu ver, as mulheres de classes sociais mais altas, tem outro ponto contra elas, o status social as tornam reféns do sistema, as encostam, literalmente, contra a parede, as fazem parecer “rebeldes sem causa”, “egoístas”, “destruidoras da família”, a final de contas elas até chegam a ter uma vida financeira satisfatória, viagens, carros, roupas, joias, empregados….

As pessoas, inclusive algumas mulheres, tem mais possibilidade de se solidarizarem com aquelas vitimas que não tem condições financeiras, que não tem estudo, que não são esclarecidas, mas ao contrário não existe sonoridade, nem solidariedade, os julgamentos são impiedosos, tanto se ela lutar pra se ver livre do sofrimento, quanto se ela se sujeitar a situação se acomodar!

As pessoas não percebem que a dor e o sofrimento de ser, menosprezada, desacreditada, humilhada, lesionada, violentada por quem deveria te amar e proteger. É extremamente doido ser desrespeitada por quem tem a obrigação de te respeitar, isso deixa qualquer mulher fora do eixo, sem norte, desesperada, desmotivada, humilhada, arrasada, com a auto estima totalmente esfacelada.

Já ouvi filhos e filhas dizerem as suas mães idosas, “é isso mesmo, mãe, meu pai sempre foi assim, você já aguentou ele até agora, não vale a pena dividir a família “só” por isso, afinal, nada falta dentro de casa!”
É muito amor a mãe, né não?

Mesmo que nada falte, materialmente, em casa, sem respeito e afeto, tudo é em vão, afinal de contas, ninguém é porco, pra viver só do que come.

Existe uma “punição” social velada, mas muito severa, para a mulher que luta pra ser livre e que prioriza ser feliz!
Mulheres não podem ter autonomia, liberdade, coragem, projetos pessoais de vida, elas apenas devem viver para cuidar e manter a família feliz e unida. A felicidade das mulheres não é relevante para a convenção social patriarcal.

Desta forma, a mulher que foge dessa linha, submissa e serviçal, “viola” o sistema e “desrespeita” a ordem, por isso “ela não deve ficar impune”!

*Valdilene Oliveira Martins
Advogada de família e criminalista, que atua exclusivamente na assistência jurídica de mulheres em situação de violência doméstica e familiar, presidente da Comissão de Direitos Humanos do Instituto RESSURGIR Sergipe